Acupuntura

O termo “acupuntura” tem sua origem vinda do latim, “acus” – agulha e “punctum” – puntura.

Tem como base o estímulo de pontos através dos meridianos, ou canais e colaterais (troncos e ramos que correm pelo corpo transportando o Qi – energia vital), visando restabelecer o fluxo do Qi e consequentemente, a saúde como um todo. Tais pontos foram determinados durante os milhares de anos de prática da Medicina Tradicional Chinesa.

A técnica trata da prevenção e do tratamento das doenças, bem como da realização da manutenção da saúde pelo método da punturação.

O procedimento da acupuntura é milenar, originária há cerca de 5 mil anos na China, e tem por objetivo o tratamento e mesmo a obtenção de cura das doenças pelo uso das agulhas e moxas (método que faz uso de calor diretamente nos pontos com a finalidade específica de aquecer o canal e expelir o frio, combater inchaços, acúmulos e dores).

Suas funções terapêuticas resultam do estímulo de pontos específicos nos canais de energia que causam reações em outras regiões ou em algum órgão, de forma a obter resultados medicinais de tratamento. Segundo a teoria da Medicina Tradicional Chinesa, os pontos tem potencial de transmitir a função e as mudanças dos órgãos do interior do corpo para superfície e, ao mesmo tempo, comunicar os fatores patogênicos (doenças) exógenos da superfície até o interior. Ou seja, é uma terapia que se destina a fazer com que o corpo do próprio paciente trabalhe a seu favor.

O Livro Clássico de Medicina Interna do Imperador Amarelo, escrito há 2300 anos, representa o primeiro documento conhecido da Medicina Chinesa, embora seja sabido por registros simples que esta vinha sendo desenvolvida muito anteriormente.

Os modelos de saúde, doença e tratamento são descritos na forma como os pacientes interagem com tal natureza, de forma harmoniosa ou não, bem como as respostas dadas por seu corpo em relação às condições externas extremas (vento, calor, umidade, secura e frio, bem como) e às próprias condições internas (raiva, alegria, medo, tristeza e preocupação).

Durante longo período de práticas, profissionais de várias dinastias chinesas aperfeiçoaram e desenvolveram esta especialidade, que abrange 4 teorias básicas, tais como o Yin e Yang; Teoria dos Cinco Movimentos; os Zhang-Fu (órgãos e vísceras); as 5 substâncias (Qi, Xue, Jin Ye, Jing e Shen); assim como vários métodos de manipulação de agulhas. Também tem como tratamento, seu diagnóstico baseado segundo os sinais e sintomas.

O Colégio Brasileiro Médico de Acupuntura a define como um método de estimulação neural periférica que modula não apenas as funções sensoriais, como motoras, autonômicas, viscerais, imunitárias e cerebrais e assim produz seus efeitos terapêuticos.

Com a inserção da agulha em um ponto sensível, ativa-se fibras nervosas de percepção da dor que, em sentido aferente à medula, ascendem ao tronco encefálico e estruturas do tálamo relacionadas à percepção e qualidade efetiva da dor. Em nível local ocorre a inibição de centros relacionados com a ansiedade e apreensão. Nestas regiões, as vias encefalinérgicas e serotoninérgicas ativam locais específicos que deflagram respostas eferentes ao nível medular liberando opiácios. Tais mecanismos são capazes de gerar diversos efeitos como a promoção do relaxamento muscular, ansiolítico, analgésico, anti-inflamatório e anti-depressivos.

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *